5 Dezembro, 2019 Sapien Livre 0Comment

Quem já está na caminhada para independência financeira (IF) ou já atingiu sua tão sonhada liberdade, precisa ter muita atenção a margem de segurança para que não seja pego, como se dizia antigamente, com as calças curtas.

Eu uso como base a regra dos 4% para saber qual seria o número aceitável para deixar o trabalho, porém sabemos que nas condições atuais com juros reais na casa dos 2%, ter resultados de 4% acima da inflação não é uma tarefa para leigos.

Aqueles que estão limitados a renda fixa precisam começar a estudar outras modalidades de investimento. É possível que os juros até voltem a subir, mas dificilmente teremos taxas de 1% ao mês como a tempos atrás.

Neste sentido, margens de segurança são essenciais para dar sustentabilidade ao plano de IF.

Primeiro – Não utilizar toda renda – Assim como durante o período de acumulação, não usar toda fonte de renda para custear despesas e estilo de vida. Coisas ruins acontecem e ter flexibilidade, tanto no estilo de vida como em nosso orçamento ajuda a passar por eventuais problemas que, inevitavelmente, acontecerão.

Eu, por exemplo, bati o carro mês passado, apesar de não ter acontecido nada grave. Tive despesas bem acima da média, inclusive poderiam, caso eu não tivesse margem, comprometer meu plano FIRE.

Poderia ser um aumento repentino de despesas com moradia, uma doença na família ou uma fonte de renda, que por algum motivo, parou de remunerar.

Leia também: O problema de ser dono

Segundo – Trabalho temporário – Considerando uma carteira de investimentos diversificada, que ajuda a mitigar os riscos. Podemos considerar trabalhos temporários para aumentar a renda e cobrir gastos inesperados. As vezes, algumas poucas horas por dia evitam a necessidade de alterações na carteira e estratégia de investimentos.

Terceiro –  Estilo de vida flexível – Se for o caso, mudar para uma casa menor ou um bairro mais barato. As vezes, morar em uma casa menor porém em um bairro melhor localizado ajuda a reduzir muitos gastos. Por exemplo, bairros de classe média alta possuem escolas públicas de ótima qualidade e serviço de saúde diferenciados (nem parecem públicos). Não estou dizendo que deve negligenciar a educação dos filhos, mas precisamos observar que existem alternativas ao ensino particular e de qualidade. Mudar de cidade e até de pais são possibilidades, quando se alcança IF, questões geográficas podem ser trabalhadas com maior flexibilidade.

Quarto – Aposentadoria tradicional – Nós que desejamos aposentar cedo, nem cogitamos depender do governo e INSS, no entanto, é um direito de todo brasileiro. Com a nova previdência, a idade mínima para aposentar passa dos sessenta anos. Claro, não vamos esperar até lá para atingir a IF, mas sabemos que haverá (deus queira!!) um recurso, nem que seja pequeno para complementar a renda na terceira idade. Como afirmei, essa é apenas uma margem de segurança. Não recomendo a ninguém que espere por aposentadoria tradicional sobre a pena de se aposentar como um indigente, mas também não podemos desprezar esse benefício.

Sei que esses exemplos não se aplicam a todos, mesmo porque cada pessoa tem estilo de vida, custos, despesas e receitas diferentes e tudo deve ser analisado de forma individual/familiar. Só preciso compartilhar o sentimento de confiança que atingimos quando consideramos margens de segurança para IF.

Sempre haverá um… “e se”, que amedronta, estressa e até paralisa. Para esses “e se” a margem de segurança funciona como lubrificante que facilita as engrenagens da grande roda da independência financeira girar.

Imagem por Free-photos – Pixabay

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *