1 Julho, 2020 Sapien Livre 4Comment

É muito comum falarmos de renda, da quanto dinheiro que precisamos para ser FIRE ou estratégias que possam fazer o dinheiro render de forma à garantir a vida após independência financeira. No entanto, muita gente se esquece do que considero o principal questionamento, que é exatamente quanto custa financeiramente manter uma vida satisfatória.

Quanto te custa ser financeiramente feliz?

Essa pergunta não é tão simples como qual é sua despesa mensal ou quanto dinheiro você precisa para ser FIRE? Ela é até mais simples em termos técnicos, no entanto, exige um conhecimento e análise pessoal que acaba se tornando muito mais difícil.

Em termos financeiros, podemos dizer que nossa despesa é X e se acumularmos determinada quantia já teremos nosso número, antes disso, precisamos analisar se a vida atual nos proporciona felicidade genuína, afinal de contas, de nada adianta fazer cálculos sobre um estilo de vida que nos entristece.

O que quero dizer é que se nosso estilo de vida atual não nos satisfaz, não será feliz com ele quando atingir a independência financeira. Seria o mesmo que pessoas acima do peso fazendo dietas super restritivas e malucas, comendo apenas sopa, proteína, shakes, ou qualquer dieta da modinha que sempre aparece por aí. Ela até pode conseguir atingir seu objetivo final de emagrecer, e se for uma pessoa muito esforçada, pode até conseguir manter a tal dieta, mas não será feliz.

Neste sentido do que adianta chegar ao seu objetivo se isso não lhe proporciona felicidade?

O minimalismo e simplicidade como aliados

Sabemos que um estilo de vida simples proporciona o benefício da menor necessidade de acumular recursos financeiros. No entanto é o estabelecimento consciente de um estilo de vida em que você dependa menos de dinheiro e, mesmo assim, tenha satisfação e felicidade com seu estilo de vida. Neste caso deve eliminar a dor de não usufruir ou participar de determinadas coisas comumente supervalorizadas por nossa sociedade e cultura.

Se por acaso, sua estratégia de trabalhar, poupar, investir e viver sua vida está trazendo sofrimento hoje, é bem provável que você não sabe quanto lhe custa ser financeiramente feliz e não tem plano que se sustente a longo prazo com pessoas infelizes. Pense nisso!

Imagem por Free-photos – Pixabay


4 thoughts on “Quanto te custa ser financeiramente feliz?

  1. Já fiz minhas contas, acredito que uma carteira de investimentos que me proporcionasse entorno de 3,5k-4k de retiradas mensais seria o suficiente para o padrão de vida que eu almejo ter.

    A grande questão é que nem de longe sou capaz de ter uma carteira com esse perfil, na realidade é impossível trabalhar com esse número como planejamento de metas, o fator inflação é importante e tanto o conceito de ‘inflação oficial’ como de ‘inflação de custo de vida’, a tendência de longo prazo é de alta para os dois e dificilmente conseguimos mudar essa tendência sem perder um pouco de felicidade.

    A reflexão do ‘custo da felicidade’ é importantíssimo e acho que toda pessoa que almeje o FIRE deve pensar nisso.

    Abraços,
    Pi.
    https://poupadordointerior.blogspot.com/

    1. Olá Poupador,

      Dependendo de sua estratégia de investimentos é possível chegar nesta renda até mesmo com menos de 1 milhão. A forma de se trabalhar a inflação dando importância de reinvestir parte dos seus rendimentos. Só assim é possível ter maior segurança de não perder poder de compra no longo prazo, é simples massei que não é fácil. No entanto, totalmente possível.

      Abraço.

  2. Oi Sapien,
    Esse post demonstra a importância de conhecermos a nossa própria suficiência, ou seja, o que é suficiente para mim (que é diferente para você, que é diferente do vizinho etc). E também compreender qual estilo de vida queremos levar. Se uma pessoa quer viver com luxo, ser IF com o básico, não trará felicidade, nem liberdade. A pessoa ficará aprisionada naquele estilo de vida e se sentirá insatisfeito com a própria vida.
    Beijos.

    1. E exatamente isso Yuka, pensar a vida na suficiência é essencial para não sofrer durante o período de acumulação, como também depois, no momento de atingir a IF.
      Se questionar e conhecer a si próprio deve ser um exercício constante.
      Bjos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *