23 Dezembro, 2019 Sapien Livre 0Comment

A via negativa é uma das melhores formas de fazer escolhas inteligentes. Isso acontece porque é mais fácil saber o que não queremos do que o que desejamos.

A gente costuma cometer muitos erros fazendo escolhas com base naquilo que desejamos pois não levamos em conta o preço que é necessário ser pago para realizar nossos intentos.

Por exemplo, acho que todo mundo gostaria de ter as contas em dia, uma gorda conta bancária e investimentos com altos rendimentos, porém são poucas as pessoas que estão dispostas a fazer um orçamento, controlar, monitorar as despesas, poupar, estudar e investir.

São poucas as pessoas que pegam uma parte de seu final de semana para entender juros compostos, inflação e como usar tudo isso a seu favor.

Eu tenho uma amiga que, já ha alguns anos, vive entrando no cheque especial. Eu já me propus a ajuda-la diversas vezes, mas o que sempre acontece, depois de alguma melhora, é ela voltar a se endividar e permanecer no vermelho. Será que não gostaria de ter um orçamento saudável? Claro que sim, é óbvio que ela sofre com as contas bagunçadas, e, apesar de ter um ótimo salário, não consegue entender porque não dá conta de pagar tudo que precisa.

A questão é que apesar de ela desejar as contas em dia, não quer deixar de usar seu carro SUV financiado em 60 parcelas. Ela não quer deixar de ir aos happy dos amigos da empresa e também não está nem um pouco afim de controlar as contas para buscar oportunidades de melhorias.

Entendeu? Querer sair do vermelho ela quer, mas pagar o preço não.

Da mesma forma tenho um amigo que gostaria muito de deixar o emprego que trabalha atualmente, pois é um emprego que agride seus valores pessoais. Ele é uma pessoa triste, acorda desmotivado todos os dias, para levantar da cama é um sofrimento, detesta o convívio de amizade superficial e ambiente competitivo da corporação, mas, no entanto, ele tem um altíssimo salário e isso lhe proporciona uma vida muito confortável, mais ou menos aquilo que chamo de algemas de ouro.

A grande pergunta que ele deveria fazer nesse sentido é: Estou disposto a perder essa alta renda em função de uma vida com mais significado, apesar de mais simples? Estou disposto a correr o risco para ser livre?

O que importa não é o que uma pessoa tem ou não tem: é o que ele ou ela tem medo de perder – Nassin Taleb

Quanto mais coisas você tem a perder, mais frágil você é. Não é a toa que conceitos minimalistas, essencialistas levam o indivíduo, de uma forma até que por osmose, a liberdade, seja ela de espirito ou material pelo simples fato de não ter muito a perder.

Se  não está disposto a pagar o preço, então é porque nunca desejou realmente. NEM TENTE! Será perda de tempo.

Imagem por greyerbaby- fixabay

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *