Comportamento

Hippie Urbano é o Caralho

13 Setembro, 2021 Sapien Livre 8Comment

Acho que é muito importante não se esquecer porque decidimos fazer e realizar algumas coisas em nossas vidas, principalmente quando realizamos o que foi planejado.

Eu estou fazendo esse exercício pois tenho sentido cada vez menos vontade de escrever, por isso voltei a ler o blog, peguei textos antigos para sentir e lembrar o que eu desejava ao iniciar esse projeto do Sapien Livre.

Foi em uma dessas leituras que cheguei no post que vou republicar abaixo pois mostra muito sobre o conceito de independência financeira e FIRE.

Postado em Abril de 2019

Outro dia li um artigo que falava das pessoas que decidiram largar suas profissões para se dedicarem as coisas que amam fazer. Como um engenheiro que passou a se dedicar a jardinagem, uma publicitária que agora virou cozinheira.

Quantas pessoas sonham em largar o mundo corporativo para viver de suas paixões, mas a necessidade financeira os prendem em uma vida sem tesão?

O Movimento FIRE neste sentido entra como uma forma de alternativa para promover a possibilidade de ter opções. Apesar de a ideia de aposentadoria antecipada ser defendida pelos FIREs, não trabalhar é uma opção.

Você não precisa ser um Hippie Urbano para se tornar FIRE

Quando eu falo sobre movimentos que chamo de contra cultura, como o Minimalismo e o Movimento Fire por exemplo, as pessoas costumam acreditar que são coisas para Hippies Urbanos. Para pessoas que largaram o emprego, andam só de bike e vendem artesanatos nas calçadas das cidades ou em pontos turísticos.

Você pode buscar sua independência financeira e mesmo assim cultuar a boa vida que leva. É claro, se possui uma capacidade de gerar alta renda poderá ter mais privilégios que alguém com uma renda mediana.

Importante é ter boa capacidade de poupança, pois o tempo de acumulação está diretamente ligado a sua capacidade de fazer aportes em seus investimentos.

No entanto, ter uma vida moderna e fazer uso de todos os recursos que as grandes cidades podem proporcionar é uma escolha sua.

Para se tornar um FIRE você não precisa:

  • Mudar de cidade e ir morar em algum vilarejo com quase nenhum recurso;
  • Andar apenas a pé ou de bike. No máximo usar transporte público;
  • Se tornar vegano, plantar e produzir sua própria comida;
  • Viver em comunidades alternativas;
  • Deixar de ter filhos;
  • Deixar de se divertir e focar apenas em guardar dinheiro;
  • Morar com os pais para não pagar aluguel;
  • De forma resumida, não precisa focar nos extremos.

Para ser tornar um FIRE você precisa:

  • Romper com o modelo social de comprar passivos (casa, carro… etc) antes de construir renda passiva;
  • Ter inteligência financeira;
  • Alta capacidade de poupança;
  • Atitude e personalidade para ignorar as pessoas que irão te julgar por buscar algo que eles nem sabem o que é;
  • Persistência e resiliência pois a caminhada é longa, entediante e sem nenhuma garantia;
  • Coragem para bancar seus pensamentos e ideais diante das pessoas que você ama. Serão exatamente essas pessoas que possivelmente irão desacreditar de você.

O Movimento FIRE não é sobre comprar uma bike e virar um hippie (apesar de eu achar uma boa ideia), mas sim sobre ter escolhas. É sobre poder tacar um foda-se para o mundo corporativo, é sobre ser você sem ter medo de perder o emprego.

É não depender financeiramente de um marido e poder botar o traste para fora de casa. É acordar na segunda sem pedir que chegue logo a sexta. É tirar um ano sabático, ou dois, ou três… ou quem sabe até dez. Não importa, pois o que desejamos é ter escolhas.

A Independência financeira está muito mais relacionada a liberdade e a possibilidade de viver por seus próprios meios do que ao seu patrimônio e dinheiro.

Foto corpo do post por Pixels

8 thoughts on “Hippie Urbano é o Caralho

  1. Texto muito bom! Estou no começo da caminhada e já ouvi vários comentários, principalmente que eu estava jogando dinheiro fora em morar sozinha próximo do trabalho em vez de financiar um carro.

    (Obs: eu realmente acho a ideia de virar veg e comer orgânicos uma boa rsrs)

    1. Oi Fernanda,
      Somos contra cultura e a ideia de remar contra a maré nos coloca em evidência. Muitas vezes de forma errada. A gente precisa saber lidar com isso pois acaba nos abalando emocionalmente se não estivermos fortes no nosso propósito.
      Ser veg e consumir produtos organicos é uma ótima ideia. Nesse caso podemos ser hippies sem a menor vergonha.
      Bjos

  2. Muito bom! Não me recordo de ter lido esse post antigo. A roda dos ratos te induz a acreditar em estigmas e pré julgamentos, especialmente para tudo que não é do círculo corporativo-fashion.

    O Diego de 2015 certamente acharia que o papo do Diego de 2020/2021 é coisa de hippie urbano drogado utópico viajante.

    Ser FIRE é poder trocar o jaleco de doutor pelo jaleco de pipoqueiro.

    1. Perfeita colocação mano! Trocar o jaleco de doutor pelo do pipoqueiro é um exemplo maravilhoso de o que significa liberdade.
      Abraço

  3. Fala Sapien beleza ?
    Na minha visão o movimento FIRE se assemelha ao Hippie na questão da contracultura….questionando e batendo de frente com esses padrões que são impostos desde que nascemos.
    Abraço FIRE Hippie !!! He he he

    1. Fala Pépe,
      Exatamente no sentido de conta cultura, mas isso não significa que somos irresponsáveis como a galera pensa. Como também não precisamos vender arte nas calçadas (adoro essas artes).
      A questão é que a ignorância do povo leva à estereótipos errados e injustos.
      A propósito eu adoro a ideia e visão de liberdade Hippei!
      Abraço

  4. Sim Sapien o movimento Hippie foi fantástico como forma de expressão da arte, os festivais de Rock, aquela geração dos anos 60 estava afoitoa pela liberdade. Bacanas os ideais contra as guerras, padrões etc. Mas o movimento Hippie Raiz deve ter durado uns 5 anos apenas, pois infelizmente muitos foram pra outras cidades fugindo da vida complexa que tinham, muitos casos de desestruturas familiares, experiências com o LSD e outras drogas bem pesadas….Acabaram se perdendo naquela grande zona que virou São Francisco e outras cidades americanas da região.
    O movimento Hippie me influenciou bastante nos anos 80 e 90, com quase tudo que tinha direito.
    Tive problemas sérios de saúde mental por experiências com drogas, fez parte do meu processo.
    Hoje com 48 anos encaretei pra sobreviver (rs) e estou em busca da vida FIRE, a diferença é que agora com a cabeça mais no lugar e os pés no chão.
    Mas ainda influenciado pelo movimento Hippie sim, uma alimentação mais saudável e a mente louca e sonhadora ainda está comigo irmão.
    Tamo junto sem medo e sem vergonha.
    Somos quem somos mesmo.
    Grande abraço irmandade

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *