31 Agosto, 2019 Sapien Livre 0Comment

É muito interessante olharmos para o passado e perceber que acreditávamos em coisas que hoje entendemos como bobagem.

Neste sentido, as vezes, passamos uma vida inteira defendendo valores de bosta sem fazer uma introspecção mais profunda.

Eu achava que só era rico quem possuía muito dinheiro

Essa é uma grande confusão que a maioria das pessoas não entendem. Primeiro nos tornamos ricos,  o dinheiro vem depois. A riqueza é um estado mental, o dinheiro é só uma das características de pessoas ricas.

Da mesma forma é o cachorro que balança o rabo e não o contrário… entendeu?

Achava que só era importante quem tinha destaque na profissão ou  vida pessoal

A gente costuma associar importância à fama, ao destaque e ao poder. Porém ser importante é importar para dentro, ou seja, a capacidade de influenciar e impactar positivamente na vida das pessoas, seja com ações ou com exemplos.

Por este olhar qualquer pessoa pode ser importante, desde o estagiário ao CEO.

“ todo poder que em vez de servir serve a si mesmo, esse é um poder que não serve. – Mário Sérgio Corlella

O engraçado deste conceito é que quando se é útil, quando se serve, acaba-se por potencializar a influência e por consequência, seu poder. É o que Gandhi chamava de Satiagraha ( o poder da alma).

Achava que se, aos trinta e poucos anos, não tivesse casa e carro não seria bem sucedido

Daquele tempo pra cá surgiram formas de utilizar coisas sem a necessidade de comprar. Empresas como Uber, Airbnb entre outras revolucionaram a forma de consumo no mundo. Afinal de contas não  queremos comprar uma casa, queremos morar em uma casa, não queremos comprar um carro, o que realmente  queremos são os benefícios que aquele item de consumo proporciona.

Eu achava que o socialismo era a solução para o mundo

Ainda adolescente acreditava que somente o socialismo era capaz de corrigir as injustiças que o capitalismo traz junto com ele.

 Hoje sei que todos os modelos de centralizar uma economia de estado foram ineficientes e terrivelmente autoritárias.

Eu achava que o capitalismo era a solução para o mundo

Entendo que este modelo atual de capitalismo irá nos levar para crises cada vez mais frequentes e aumentar ainda mais a desigualdade social.

Acredito que este modelo é um processo transitório para outro que irá  deixar de ser baseado apenas no consumo, produção e acumulo de riqueza.

Eu achava que existia uma receita para ser feliz

Como qualquer pessoa utilizava os modelos cultuados na sociedade para acreditar o que poderia me fazer feliz.

Até que descobri que não existe receita do bolo. O que faz muitas pessoas felizes pode me entristecer e vice versa. Utilizando um conceito Nietzscheano, a vida é uma grande enrascada e não existe resposta certa nem solução.

Eu achava coisas que não acho mais… e você,  continua achando as mesmas coisas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *