6 Junho, 2019 Sapien Livre 4Comment

Eu costumeiramente falo de investimentos para aposentadoria antecipada neste blog. Já abordei diferentes temas como Risco em investimentos, fundos imobiliários, ações e até mesmo a tão capenga Caderneta de Poupança.

Porém nunca abordei um tema de extrema importância para gestão de carteira de investimentos que é a correlação de ativos. O assunto é um pouco técnico, então talvez nem todos consigam entender esse artigo.

Se você for uma destas pessoas, tudo bem. Continue estudando e lendo sobre investimentos e em algum momento irá compreender o que será abordado.

Correlação de Ativos – A gangorra dos investimentos

Quando falamos de diversificação de investimentos, nos vem a famosa frase… “não colocar todos os ovos na mesma cesta. Esta é uma etapa da diversificação que quase todos nós compreendemos, porém existe um outro aspecto, a correlação dos ativos diversificados.

Exemplo: O mercado de ações de um modo geral está diretamente ligado a taxa de juros. Neste sentido caso a taxa de juros esteja caindo o mercado sobe, pois fica mais atrativo essa modalidade de investimento.

Se estivermos em um cenário de elevação dos juros e instabilidade econômica teremos queda das ações e uma possível alta do dólar.

Com essas informações é possível ter, por exemplo, ações de empresas exportadoras com receita dolarizada. Uma forma de proteção contra a desvalorização de nossa moeda.

Títulos públicos pré fixados, apesar de seguros, podem sofrer muita variação de acordo com a expectativa de juros futuros. Isso pode causar algum pânico no investidor iniciante.

O ideal quando pensamos em diversificar, além de variar entre classes de ativos é preciso criar uma teórica gangorra em nossa carteira, ou seja, manter ativos que criem equilíbrio em um momento de instabilidade. Fazendo que possíveis perdas sejam mitigadas por essa correlação.

Se possui ações, tenha também algum ativo de correlação contrária para minimizar os riscos e aproveitar oportunidades. Muitas vezes carregar investimentos pouco rentáveis é um seguro para os eventos imprevisíveis que podem ocorrer.

A correlação de carteira precisa fazer parte da estratégia de diversificação de todo investidor. Se acha que isso é muito complexo para você, não se preocupe em entender tudo de uma hora para outra, mas procure observar como as coisas funcionam ao longo do tempo.

Recomendo fortemente que todo investidor tenha conhecimento e seja ativo com seu patrimônio, só assim não será refém do gerente do banco, da corretora ou de qualquer um que, mesmo com a melhor das intenções, recomenda coisas equivocadas.

Como já escrevi outras vezes, todo investidor é um solitário.

Disclaimer – Eu não sou um analista/assessor de investimentos e nem pretendo ser, entenda que você é responsável por seus investimentos e decisões. Sou apenas um apaixonado por finanças  pessoais e minhas opiniões e escolhas são particulares a minha filosofia e valores. Em outras palavras, se fizer cagada com seu dinheiro não me culpe.

Fotos por: Mediamodifier-pixabay

4 thoughts on “Correlação de Ativos – A gangorra dos investimentos

  1. Oi Sapien. Muito bom o artigo sobre a importância da correlação. É tão importante que ha um tempo comecei a anotar essas correlações. Bolsa brasileira sobe, dólar e bolsa americana cai. Selic cai, FII e ações sobem… e por aí vai. Equilibrar a carteira de investimento é fundamental para visar uma carteira consistente a longo prazo. Um grande abraço.

    1. Olá Yuka,

      Exato… eu particularmente tenho 90% dos meus investimentos em renda variável. A variação de minha carteira acaba oscilando muito em momentos de estresse no mercado. Buscar uma correlação minimiza os riscos e ajuda a manter um balanceamento mais regular nestes momentos.

      Grande abraço.

    1. Olá Alexandre, tudo bem?

      Sim pode.As DBRs são opções para balanceamento, porém observe que elas (nivel1)são restritas para investidor qualificado.

      Abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *